Retrato de Luís Lavoura

O Reino Unido tem um mecanismo de apoio aos idosos dependentes que constitui um bom modelo. Quando esses idosos estão por conta do Serviço Nacional de Saúde britânico, os gastos deste com cada um deles são contabilizados; quando o idoso morre, o Estado retira à sua herança todo o dinheiro que gastou com ele, deixando na herança (para transmitir aos herdeiros) um máximo de (aproximadamente) 100 mil euros. Desta forma, os herdeiros de idosos que vivam muito tempo a expensas do SNS (por terem uma doença terminal e necessitarem de cuidados paliativos, ou por estarem dementes) acabam de facto por pagar aquilo que eles gastaram.

Eu acho muito bem. Não devem ser os contribuintes a pagar os cuidados de saúde terminais. Quem paga devem ser (indiretamente) os herdeiros, que ficam sem parte da sua herança.

Está muito silencioso por aqui! Porque não deixar uma resposta?

  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente

Mais informação sobre as opções de formatação