Retrato de Luís Lavoura

Desde o princípio da guerra na ex-Jugoslávia, a Alemanha aliou-se implicitamente à Croácia contra a Sérvia. Essa aliança não-declarada prossegue, sob novos moldes.

Ontem, o presidente do parlamento alemão (Bundestag), em visita a Lisboa, declarou que a União Europeia não deve, durante os próximos tempos, ser alargada a novos membros.

Ora, a União Europeia vai em breve adquirir um novo membro, a Croácia; já está tudo combinado e certamente que o presidente do Bundestag não se referia a este novo membro...

O "recado" do presidente do Bundestag deve, portanto, ser entendido como um veto à possível entrada de outros países balcânicos na União, nomeadamente os dois mais importantes desses países, ambos possíveis e fortes candidatos, a Sérvia e a Turquia.

Não faz qualquer sentido permitir a entrada da Croácia na União mas vetar a da Sérvia. Tal só pode ser entendido como um parti pris contra este último país.

A Alemanha prossegue a sua política canalha nos Balcãs.

 

P.S. A Croácia tem hoje em dia as melhores relações, inclusivé económicas, com a Sérvia, e já disse que é favorável a que a Sérvia também adira à União Europeia. A culpa neste caso não é da Croácia, é de outros países europeus que são afincadamente anti-sérvios, como a Alemanha.

Está muito silencioso por aqui! Porque não deixar uma resposta?

  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente

Mais informação sobre as opções de formatação