Retrato de Luís Lavoura

Com a conquista nos últimos dias de Al Qunaytra, junto à fronteira libanesa, o regime sírio - com o valioso apoio de guerrilheiros libaneses (*) do Hizbullah - parece ter assegurado o controle da generalidade da parte ocidental - a mais habitada - do país, e das fronteiras com o Líbano e a Turquia por onde anteriormente os rebeldes eram abastecidos. Os rebeldes encontram-se agora firmemente acantonados apenas na região do rio Eufrates, no oriente, menos habitado, do país. Os rebeldes são, além disso, cada vez mais dominados por grupos fundamentalistas religiosos sunitas, sendo muitos dos combatentes estrangeiros (incluindo alguns muçulmanos europeus), que foram para a Síria praticar a "guerra santa".

Neste contexto, resta ver como é que as potências "ocidentais", nomeadamente o Reino Unido, a França e, em menor medida, os EUA e a União Europeia, vão (se é que vão) alterar a sua diplomacia incompetente e parva, deixar de exigir o afastamento do presidente Assad, e deixar de dar cobertura aos países (mais ou menos fundamentalistas) islâmicos da região que continuam a apoiar financeiramente e militarmente os rebeldes - a Arábia Saudita, o Qatar e a Turquia.

Espero que rapidamente o façam, com a maior destreza de que forem capazes - que não me parece ser muita.

 

(*) A distinção entre "Síria" e "Líbano" é artificial. Na geografia árabe, o atual Líbano é uma parte da Síria - tal como a Palestina e a parte ocidental (habitada) da Jordània o são. Para os árabes, toda aquela região é a (grande) Síria. O Líbano não passa de um país artificialmente extraído da Síria pela antiga potência colonial - a França - com o fim de fornecer um país à sua clientela local preferida, os cristãos sírios. Lamentavelmene para essa clientela, no decurso das décadas ela veio a ser ultrapassada em termos demográficos pelos muçulmanos, sobretudo xiitas, de tal forma que os cristãos são hoje uma minoria cada vez mais minoritária no Líbano.

Está muito silencioso por aqui! Porque não deixar uma resposta?

  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente

Mais informação sobre as opções de formatação