O blogue de Rui Almeida

Curiosa a noticia do Jornal O Público sobre a condecoração a Pedro Santana Lopes:

"No seu curto discurso, Cavaco Silva sentiu necessidade de justificar a tardia condecoração a Santa Lopes, lembrando que estava a “cumprir o dever e a tradição de condecorar” pessoas que desempenharam funções de relevo na vida política portuguesa."

em http://www.publico.pt/Política/santana-lopes-dedica-condecoracao-a-sua-equipa-de-governo_1418629

Portanto, parece que as condecorações devem ser atribuidas a todos os que passam por funções de relevo, independetemente dos méritos e excelências de cada um.

Mas não é essa a ideia que o portal das "AS ORDENS HONORÍFICAS PORTUGUESAS" (em http://www.ordens.presidencia.pt/portugues.htm ) transmite. Depois de ler fiquei com a percepção que as condecorações têm por base o mérito.

Será que não foi sempre assim?
Ou será que é o actual Presidente da República Cavaco Silva que está enganado ao pensar que a atribuição deve-se à tradição?
Ou está com o peso na consciência e não quer ser acusado de politicamente incorrecto?
Ou até está a comprar o apoio de Santana Lopes dentro do PSD?

Tantas questões e tão pouco mérito...

Em Sintra, a Assembleia Municipal aprovou a proibição de qualquer tourada e espectáculos de circos com animais.

Sobre a primeira estou perfeitamente de acordo, dado que não concordo com os aplausos humanos depois de um mais "ferro bem colocado" no touro.

Sobre os circos, nunca fui um grande admirador e ultimamente tenho acolhido algumas críticas das organizações de defesa dos animais. Não tanto pelo tratamento dado ao animais durante os espectáculos, mas pelo que não se vê, nomeadamente os métodos de ensino...e repressão.

De qualquer forma fica a nota, que depois dos Municípios de Viana do Castelo, Braga e Cascais terem tomado medidas semelhantes, junta-se mais um.

Sou um dos críticos da nomeação do Sr. Domingos Névoa para Presidente da empresa inter-municipal Braval (www.braval.pt/), pouco depois de ter sido condenado em primeira instância judicial sobre uma tentativa de corrupção.

Depois da FALTA DE SENTIDO DE RESPONSABILIDADE E FALTA DE ÉTICA das pessoas que ao nível local votaram pela a sua eleição para presidente da dita empresa e depois das críticas generalizadas por todos os partidos ao nível nacional, o Sr. Domingos Névoa mostrou (ou tentou mostrar) que não estava obcecado como o lugar e demitiu-se.

Por este gesto (que não é tão normal quanto deveria) dou-lhe OS PARABÉNS!

Demitir-se não é reconhecer que é culpado. Aliás, hoje mesmo, o seu advogado entregou o pedido de recurso à condenação.

Mas manter-se no cargo, permitiria continuar com todas as especulações.

outra vez, Sr. Primeiro-Ministro?

"José Sócrates entregou portáteis Magalhães numa escola de Ponte de Lima na semana passada. Finda a cerimónia de entrega, os computadores tiveram de ser devolvidos pelos alunos.(...)"
in site da Exame Informática, 18-11-2008, http://exameinformatica.clix.pt/noticias/mercados/1000393.html

As eleições aproximam-se, as fotografias ficam, e estas 'gaffes' esquecem-se, e o povo fica contente...

Que o BPN não estaria bem, já desconfiava desde que a Comunicação Social tinha referido anteriormente algumas questões. Com as últimas declarações de seu actual Presidente, Migue Cadilhe, essa desconfiança aumentou.

Já sabia que o Governo tinha-se comprometido em defender o sistema financeiro português, inicialmente com meras palavras para acalmar os depositantes, depois como um plano de acção (a garantia de 20 mil milhões ao sistema financeiro), pelo que não estranho a solução de "Nacionalização".

Relativamente ao Banco de Portugal, mais concretamente sobre o Governador Vítor Constâncio, não sei o que ele andará a fazer lá.

Durante anos fui defensor da sua escolha, pela competência e pela sua credibilidade. Contudo, quando se deu o caso "BCP", passei a duvidar se o Banco de Portugal, teria feito bem a sua função de supervisão.

Recordo, que os primeiros sinais de que haveria situações fora da legalidade foram dados pela comunicação social e não pela acção do Banco Central.

Agora aparece uma segunda situação. O grupo económico que girava à volta do BPN já em tempos tinha levantado questões eticas e legais.
Afinal, não se sabia que existia também a questão económica. Mas desta vez também não foi o Banco de Portugal que, ao exercer a função de supervisão, detectou os problemas...

Arrisco-me a dizer que senão fosse a actual administração do BPN a quer limpar a casa, e optasse por esconder, tudo ficava na mesma...

Parece-me que o Banco de Portugal não investiga pro-activamente... apenas reage. Reage à comunicação social ou reage à queixas das próprias instituições.

Na edição de ontem do Expresso, li com curiosidade um pequeno texto com o título "Computadores chegam à ilha", em que explica que o novo Presidente de Cuba, Raul Castro, levantou a interdição à venda de variados bens, nomeadamente computadores pessoais e DVD's.

Com um pouco de investigação na internet fiquei a saber que a desculpa oficial foi de «melhoria do acesso à electricidade», e que a lista dos bens inclui "PCs, DVDs, aparelhos de vídeo, televisão de 19 e 24 polegadas, panelas de pressão eléctricas, alarmes de automóvel, microondas e bicicletas eléctricas".

Mais informações em:
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=44&id_news=323313

Serão os primeiros passos no sentido de liberalizar o regime?

Lisboa, 3 de Setembro de 2007 - O Movimento Liberal Social (MLS) quer que o novo tratado da União Europeia seja referendado à escala europeia durante as próximas eleições para o Parlamento Europeu que irão ocorrer em Junho de 2009. A posição do MLS vem reforçar a campanha europeia sobre esta questão, lançada por 19 organizações e partidos políticos europeus e que conta já com mais de 15 mil assinaturas, para a realização de um referendo a nível europeu, o europeanreferendum.eu (http://www.europeanreferendum.eu/pt/). Com a adesão do MLS à campanha, Portugal passa a estar também representado nesta iniciativa, que conta com o apoio de alguns nomes sonantes da construção europeia, como Giscard d'Estaing Valéry, presidente da Convenção Europeia que propôs o tratado constitucional inicial, os deputados europeus Alexander Alvaro, Geremek Bronislaw e Onesta Gerard e vários deputados de parlamentos nacionais.

Para o MLS, o novo tratado europeu é um importante passo em frente na unidade democrática da Europa, que irá trazer benefícios para os seus habitantes. Deve ser portanto visto com naturalidade, que seja o povo europeu como um todo, a ter a oportunidade de votar por ele. Com a vantagem que ao transformar-se o referendo num debate a nível europeu, se conseguiria ultrapassar as influências das questões de política nacional.

A escolha da data de Junho de 2009, prende-se com o facto de ser nessa altura que se realizarão as próximas eleições para o Parlamento Europeu. Tratando-se por isso de um momento em que os cidadãos da Europa iriam votar sobre questões europeias. Simultaneamente esta data permitiria que houvesse tempo suficiente para uma campanha de informação em que as múltiplas facções no debate poderiam apresentar os seus argumentos.

Só hoje tive oportunidade de ler o comunicado do PCP (Partido Comunista Português) sobre Cuba.
Não resisto a citar excertos desse comunicado:

"Novas ameaças contra Cuba
Segunda, 12 Março 2007
A Comissão Política do PCP «alerta para a gravidade das intenções declaradas pela actual presidência alemã da União Europeia de proceder à aprovação de uma “Estratégia a médio e longo prazo para Cuba” que prevê, além de sanções políticas e diplomáticas contra Cuba, um capítulo secreto de acções hostis, à semelhança do chamado “Plano Bush para o derrubamento do regime Cubano”.
(...)
A ser aprovada, esta nova escalada económica, política e diplomática contra Cuba significaria um inaceitável endurecimento face à “posição comum da União Europeia relativa a Cuba” aprovada em 1996 e já de si um acto de descarada ingerência e discriminação contra este País. Tal “estratégia” visaria obstaculizar as relações que, apesar da “posição comum”, vários estados europeus, incluindo Portugal, mantêm com o Estado Cubano e constituiria um profundo desrespeito pelas relações de amizade, respeito mútuo e solidariedade que unem os povos de vários países da Europa e o povo de Cuba, como é o caso do povo português.
(...)
O PCP reafirma a solidariedade e a amizade dos comunistas portugueses para com os comunistas e o povo de Cuba, a sua revolução socialista e apela aos amigos de Cuba, aos democratas e ao povo português que façam ouvir a sua voz contra as novas tentativas de isolamento de Cuba e do seu povo."

in http://www.pcp.pt/index.php?option=com_content&task=view&id=27623&Itemid=245

Considero que a luta do PCP contra a ditadura de Salazar e do Estado Novo deve ser enaltecida e recordada. Contudo, discordo da sua visão de querer implementar um regimo comunista que a história já provou ser sempre um sistema anti-liberal, vejamos os casos soviético, cubano, coreano e chinês. No fundo ditaduras centradas num homem ou num aparelho do partido únicos são a mesma coisa - limitadores da liberdade. Mas para o PCP uma coisa é a vontade do povo outra são as ditaduras de direita.

E é precisamente o que se passa com alguns "de esquerda", tanto a nível nacional como internacional.
Tantas virtudes que Cuba e o Fidel devem ter... Esquecem-se que se por acaso abrissem a boca com uma opinião um "pooouuquinho diferente do camarada comandante", se calhar, mas só se calhar já teriam ido desta para melhor.

Numa democracia é que permitido a que esses iluminados do PCP e eu próprio(por estar a escrever estas linhas) é que não somos molestados na prisão.
Se eles e eu estivessemos numa qualquer ditadura (seja de esquerda ou de direita) então já estaríamos a pensar no "risco de perder a liberdade".

(Não se esqueçam que os documentários do passado bem como nas entrevistas ao povo português, Salazar e o Estado Novo era o melhor dos líderes e sistemas...tal qual Fidel...quando acabar o regime é que iremos ver entrevistas não condicionadas)

E nada de confusões: críticar comunistas não me faz pró-bush!!!

A Assembleia da República aprovou hoje a nova lei do aborto "que despenaliza as interrupções voluntárias da gravidez realizadas por opção da mulher nas primeiras dez semanas".

Votos a favor: PS, PCP/Verdes, BE e e 21 deputados do PSD.
Contas feitas - 71% dos deputados terão votado a favor.

Foi a prenda dos parlamentares às mulheres portuguesas, ou terá sido coincidência?

É este o título da capa do Correio da Manhã, na edição de hoje, 13-12-2006.
(http://www.correiodamanha.pt/noticia.asp?id=224154&idselect=20&idCanal=20&p=0)

Pergunto eu: e qual é surpresa?

Foi com base nessa constatação da realidade económica que na última Assembleia Geral do MLS, foi aprovada uma moção sobre este tema:
"SOFTWARE ABERTO OBRIGATÓRIO EM ESTABELECIMENTOS"

Para ler a moção: http://www.liberal-social.org/software-aberto-obrigatorio-em-estabelecimentos