Retrato de Luís Lavoura

Parece que o governo pretende agora reviver a proposta de Bagão Félix de um sistema de pensões de velhice baseadas na capitalização de poupanças.

É fácil de ver o enorme grupo de pressão que milita a favor dessa opção: ela trará imenso dinheiro ao setor financeiro. É o maior bónus que os governos podem dar ao setor financeiro: pô-lo a governar toda a enorme quantidade de dinheiro que as pessoas devem poupar para a sua velhice.

Eu reconheço que tal sistema tem vantagens, mas creio que as desvantagens são muito superiores. Porque à maior financeirização da economia irá corresponder uma muito maior instabilidade, com montanhas de capital a entrarem e saírem rapidamente dos países, sempre em busca de maiores retornos.

Além disso, creio que as próprias vantagens do sistema de capitalização são, em grande parte, ilusórias ou falsas. O sistema não incentiva a poupança dado que, a qualque momento, haverá tantos ativos financeiros a serem comprados pelas poupanças dos jovens quantos os ativos a serem vendidos pelos reformados. Ou seja, aquilo que os jovens poupam os velhos gastam, não há no total poupança nenhuma. Além disso, se há vantagem em as reformas das portugueses ficarem a depender do estado da economia global, e não apenas do estado da economia portuguesa, por outro lado o sistema de capitalização apenas investe os seus ativos numa pequena parte da economia global total - naquela parte que, através de obrigações ou de ações emitidas por grandes empresas, é transacionável em bolsa. Ou seja, toda uma enorme parte da economia global - aquela que se encontra em empresas familiares ou não cotadas - deixaria de contribuir para as pensões de reforma.

Por estas razões, sou resolutamente contra esse sistema de capitalização.

Sistema de capitalização

Anónimo (não verificado) on Domingo, 19/01/2014 - 12:01

Leia o seguinte artigo: http://oinsurgente.org/2013/12/17/o-peixe-os-velhos-e-o-pau/

Retrato de Luís Lavoura

resposta

Luís Lavoura on Quarta, 22/01/2014 - 10:07

É uma parábola muito gira.

Mas o mundo não é uma parábola.

  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente

Mais informação sobre as opções de formatação