Retrato de Luís Lavoura

Segundo um mapa na edição desta semana da Economist (uma revista insuspeita de russofilismo), cerca de dois terços da população da Crimeia é russa. O restante terço da população pertence a diversas minorias étnicas (creio que principalmente tártaros). A população etnicamente ucraniana é residual.

Em face destes factos, não faz qualquer sentido que a Crimeia faça parte da Ucrânia. Muito mais sentido fará que ela constitua um país independente, ou então que faça parte da Rússia.

Os países "ocidentais", que instigaram e reconheceram a independência do Kosovo sob o argumento de que a maioria da sua população é etnicamente albanesa, não podem deixar de reconhecer este facto.

A hipocrisia e a duplicidade dos Estados devem ter limites.

Está muito silencioso por aqui! Porque não deixar uma resposta?

  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente

Mais informação sobre as opções de formatação