Generalidades

Retrato de Luís Lavoura

Não pode pôr-se em causa a liberdade do Governo Regional dos Açores gastar o seu dinheiro da forma que melhor lhe aprouver. E, ao fim e ao cabo, gastar dinheiro a pagar a funcionários será possivelmente melhor do que gastá-lo a subsidiar a construção - e, futuramente, a manutenção - de inúteis e incaraterísticos hoteis de cinco estrelas em Ponta Delgada.

 

Porém, diz o Governo Regional que o dinheiro que assim irá gastar estaria normalmente reservado, no seu orçamento, a despesas extrardinárias. Eu pergunto: se no próximo ano houver um sismo nalguma ilha dos Açores, ou se alguma epidemia atingir gravosamente o efetivo de gado do arquipélago, com que dinheiro irá o Governo Regional enfrentar o problema?

 

Espero que nessa altura não venham pedir mais dinheiro ao Continente.

Retrato de Luís Lavoura

Ontem o PS fez aprovar na Assembleia da República uma medida que isenta dos cortes salariais para a Função Pública as empresas do setor empresarial do Estado, em casos em que se possa temer que da diminuição do salário de certos especialistas pudesse resultar a fuga desses especialistas para empresas do setor privado.

 

Não tenho nada a opôr a esta medida, mas questiono por que é que ela só se aplica ao setor empresarial do Estado e não em geral à Função Pública. É que também na Função Pública há muitos especialistas que se encontram em concorrência direta com o setor privado - por exemplo, médicos, professores, economistas, etc.

 

O Estado português é brutalmente centralista e inflexível. Prescreve desde o Terreiro do Paço os salários de todos os seus funcionários, sem admitir casos excecionais. (Por exemplo, jamais um prémio Nobel aceitará vir lecionar para uma universidade pública portuguesa, porque uma tal universidade está impossibilitada de lhe oferecer um salário competitivo.) É necessário acabar com esta tradição. É preciso dar liberdade aos diretores de serviços, sobretudo em casos onde se pode medir de forma objetiva a produtividade desses serviços, para oferecerem salários compatíveis com a qualidade de quem estão a empregar.

Retrato de Luís Lavoura

Há três anos a jornalista Manuela Moura Guedes desancou sem dó nem piedade o primeiro-ministro José Sócrates por este, aparentemente, ter concluído a sua licenciatura num domingo.

 

No passado domingo essa mesma jornalista chegou a acordo de despedimento com a sua empregadora, a estação televisiva TVI.

 

Pelos vistos, não é só José Sócrates quem faz coisas ao domingo. Manuela Moura Guedes também as faz.

 

Manuela Moura Guedes esteve mais de um ano de baixa médica, sem trabalhar, a viver à custa de todos nós. O médico que lhe passou a baixa fê-lo, não podemos duvidar, de forma conscienciosa - a senhora estava efetivamente incapaz de trabalhar, embora durante este tempo todo se tenha fartado de fazer outras coisas.

 

A lei laboral portuguesa é muito branda.

Retrato de Luís Lavoura

No outro dia ouvi na Antena 1 o psicólogo Eduardo Sá a dizer que há diversos estudos que indicam que, nos países desenvolvidos, a adolescência termina cada vez mais tarde. Os jovens têm mentalidade de adolescentes até aos 25 ou mesmo 30 anos de idade. Ou seja, entra-se muito mais tarde num estado psicológico de adulto.

 

Eu parece-me, pelo que vejo à minha volta, que isto é plenamente verdade.

 

Mas será isto culpa dos jovens, que são imaturos? Eu creio que não é só culpa deles, nem será sequer principalmente culpa deles.

 

Como pai, verifico que é hoje cada vez mais demorado ensinar uma criança, devido à cada vez maior complexidade e variedade do mundo à volta dela. A cabeça humana, pura e simplesmente, não tem capacidade de absorver coisas a mais do que um certo ritmo. E o mundo hoje é de uma extrema complexidade, que é extremamente confusa para uma criança. Por exemplo, a criança é constantemente bombardeada com mensagens em línguas estrangeiras, com mensagens publicitárias, e com solicitações tecnológicas várias, que a confundem e que ela tem que, penosamente, aprender a distinguir.

 

Perante uma tal complexidade, é inevitável que o crescimento da criança e do jovem, a sua adaptação ao mundo que a rodeia, leve mais tempo.

 

Também aqui se vê que a sociedade se está a aproximar dos seus limites. Com a evolução tecnológica e social, chegámos ao ponto em que o jovem ainda não é psiquicamente adulto quando já o é em termos de força física e de capacidade reprodutora. As consequências de tal facto são de mau presságio.

Retrato de Luís Lavoura

Para minha felicidade, o Gilberto teve direito a um presente tão bom quanto o do Laurentino: Noruega 1 - Portugal 0.

 

Agora que já receberam os seus excelentes presentes, é altura de o Gilberto e o Laurentino se irem ambos embora.

 

Parece que querem despedir o Carlos Queiroz. Eu acho bem, desde que cumpram o contrato por todos livremente assinado, nomeadamente em matéria de indemnização em caso de despedimento. Pessoas honestas cumprem com os contratos que livremente assinaram. E, se não os cumprirem, deve haver um sistema judicial que a tanto as obrigue.

 

E, após cumprirem, que vão todos para a rua. Xóóó!!!

Retrato de Luís Lavoura

A PT anda a ser sucessivamente castigada por interferências políticas. Primeiro foi Manuela Ferreira Leite quem tudo fez para a impedir de comprar a TVI e, dessa forma, se expandir para a apetecida área da produção de conteúdos. Agora é José Sócrates quem a impede de vender a Vivo, contrariando o julgamento de vasta maioria dos acionistas sobre o que é melhor para a sua empresa.

 

Eu se fosse Zeinal Bava mandava os políticos portugueses e as suas interferências à fava, demitia-me e ia gerir empresas de telecomunicações para a sua Índia de origem - um país muito mais livre, onde as empresas privadas são mesmo privadas.

Retrato de Luís Lavoura

Quando foi do primeiro golo da Argentina contra o México, a televisão esmerou-se em mostrar e demonstrar que, no momento do passe, o jogador argentino que iria marcar o golo estava em posição de fora-de-jogo.

 

Mas agora, no único golo da Espanha contra Portugal, no qual - com alta probabilidade, em minha opinião - o jogador espanhol também estaria em fora-de-jogo, a televisão não mostrou absolutamente nada. Com tantas (dezenas delas!) câmaras que há no estádio, a televisão não foi capaz de nos dar uma imagem, uma só que fosse, mesmo sem risquinhos horizontais a demonstrar a posição relativa dos jogadores, que permitisse afirmar que a posição do jogador espanhol era irregular - tal como os defesas portugueses na altura protestaram junto do árbitro.

 

A Atrgentina e a Espanha são dois dos grandes candidatos ao título mundial. Mas parece que a realização televisiva prefere a Espanha à Argentina. Não é imparcial.

Retrato de Luís Lavoura

Há uns dias, no avião que o trouxe de Roma, o papa deu uma valente lição a muitos católicos e renovou o significado da expressão "ser mais papista do que o papa". Após tantos católicos - por exemplo, o distinto professor João César das Neves - terem insistido que a Igreja estava a ser alvo de ataques descabidos, o papa veio corrigi-los e ensinar-lhes que não, que a Igreja está é a pagar pelos seus erros e que o que cabe à Igreja é corrigir esses erros e não queixar-de de suposta perseguição.

Ontem o professor Cavaco Silva, talvez inspirado pelo exemplo papal, também superou os, e deu uma lição aos, seus correligionários: pegou-lhes no argumento de que em tempo de crise económica não se deve perder desnecessariamente tempo a discutir assuntos que para a maior parte das pessoas são secundários e, corretamente, utilizou esse argumento para justificar a promulgação do casamento entre pessoas do mesmo sexo. (Se Cavaco Silva tivesse agido de outra forma ter-se-ia exposto superfluamente a um vexame, o de ver reiterada pelo parlamento a aprovação de uma lei que vetara.)

Oxalá os correligionários de Cavaco Silva pudessem aprender com o seu exemplo de razoabilidade e de correta avaliação da situação, tal como os correligionários do papa tiveram que aprender com as suas sábias palavras.

Retrato de Miguel Duarte

The last eruption of the Eyjafjallajoekull volcano was on 20 March, when a 0.5km-long fissure opened up on the eastern side of the glacier at the Fimmvoerduhals Pass. The eruption prior to that started in 1821 - and continued intermittently for more than a year.

Fonte: BBC

Retrato de João Mendes

Out of the night that covers me,
Black as the Pit from pole to pole,
I thank whatever gods may be
For my unconquerable soul.

In the fell clutch of circumstance
I have not winced nor cried aloud.
Under the bludgeonings of chance
My head is bloody, but unbowed.

Beyond this place of wrath and tears
Looms but the Horror of the shade,
And yet the menace of the years
Finds, and shall find, me unafraid.

It matters not how strait the gate,
How charged with punishments the scroll.
I am the master of my fate:
I am the captain of my soul.

-- William Ernest Henley