Videocasts

Retrato de Miguel Duarte

PS: Aos críticos do costume, sim, sim, o filme acima é subsídio ao cinema pago com o dinheiro dos contribuintes, mas não é a isso que me estou a referir ou a apoiar (enjoy life once in a while). ;)

Retrato de Igor Caldeira

Procurei no Youtube a parte final deste episódio da série American Dad (o episódio chama-se Stan of Arabia) mas infelizmente não encontrei. Talvez haja um bom motivo, e ao explicar o que acontece no final seja perceptível.
Neste episódio o Stan rejeita a cidadania americana, zangado com toda essa corja que lhe torna a vida num inferno (democratas, feministas, gays, ambientalistas, etc., etc., etc.) e torna-se saudita. Após, por motivos vários, toda a família acabar num estádio onde vai ser lapidada, e após terem sido salvos in extremis por um príncipe que, para ter sexo com o extraterrestre que vive com a família do Stan, cancela a lapidação, eles regressam aos EUA.
A parte final é também ela um momento musical em que o Stan se reconcilia com o seu país e em que diz que apesar de ter toda aquela gente, os Estados Unidos não são the worst country in the world.

Para mim, esta é a tragédia e a comédia dos nossos conservadores: eles odeiam os progressistas, mas também odeiam os muçulmanos. Eles querem combater o Islão em nome do Ocidente, mas também combatem o Ocidente em nome do Ocidente. Se fossem muçulmanos, seriam integristas com toda a certeza. Como são cristãos (ou nalguns casos não são cristãos de fé, mas pelo menos são-no politicamente, na boa linha de Maurras), estão neste misto de condenação do mundo inteiro e condenação de si próprios. Condenam todo o mundo não ocidental. E condenam no Ocidente tudo aquilo que faz das sociedades ocidentais superiores às outras - desde os direitos das mulheres até ao Estado Social.

Sei que este video já é antigo mas vale a pena rever. Até porque podiamos fazer um em Portugal em relação aos imigrantes.

Este post é dedicado ao liberal luso-canadiano Filipe Brás :p ;)

Retrato de Igor Caldeira

Ann Coulter, para quem não a conhece, é o exemplo acabado da idiotice conservadora em geral, e dos conservadores americanos em particular. Um dos seus desportos favoritos é chamar gay a políticos de quem não goste - Edwards ou Clinton.
Neste filme, ela é arrasada.
A ver.

Retrato de Filipe Melo Sousa

Queria apresentar aqui um vídeo muito didático e ilustrativo daquilo que foram as praxes na entrada para a Universidade do Minho este ano para o curso de Engenharia e Gestão Industrial. A comissão de praxe e os seus organizadores ficaram muito orgulhosos da sua obra, e decidiram postar no YouTube. Assinaram no fim claro! Não deixo de fazer um comentário guiado ao vídeo! Ele merece! As citações dos veteranos a negrito e itálico:

Abrem os veteranos o documentário com a explicação: "Em 2004, eles sofreram as sagradas justiças da praxe". Ouve-se a marcha fúnebre como música de fundo, Imagens de estudantes no chão a fazer flexões. Marcha forçada do tipo Lockstep Walking. Pinturas faciais, com sorrisos dos "voluntários" para a câmara. Juramentos (é sempre preciso nestas coisas dar uma aparência de legitimidade à coisa, fazendo as vítimas aceitar o código moral segundo o qual vão sofrer as sevícias) O tradicional jogo do palito, em que é preciso fazer passar um pequeno palito de uma boca para a outra, agarrando-o com os dentes, ao colega do sexo oposto (ou não).

O Baptismo.
"Ingredientes da Poção: Tudo de nojento que se possa imaginar..."
Vê-se então os "voluntários" a mergulhar a cabeça num balde de "tudo de nojento que se possa imaginar", e a esfregar bem com as mãos, de seguida são confortados pelo veterano, nos seus lindos trajes pretos. São de seguida besuntados, e alinhados deitados de barriga para baixo. Vão acompanhados pelos veteranos, trajados de preto, e com um ar muito divertido "lavar" a cabeça cheia de tudo-de-nojento-que-se-possa-imaginar à fonte com a água toda badalhoca.

O documentário continua: "Chegado o tão desejado dia de cortejo, eles deixaram de ser caloiros e passaram a novilhos." Vão desfilar orgulhosamente para a rua com cartazes da LEGI. "Em 2006 eles vieram com toda a garra, e vão fazer valer as justiças da sagrada praxe. Bestas de 2006/2007, preparem-se porque não vão ter vida facilitada. Aos Caloiros, MISÉRIA E SANGUE!" (fotografia do antes e depois do banho na lama)

"De todas as possíveis faltas à praxe, a maior atrocidade que se pode ser cometida é a de ser caloiro. A justiça de tal ignomínia é à escolha do Praxante que a acusar; recomenda-se no entanto, que o energúmeno seja o mais duramente punido. Caso se verifique que a besta permanece ainda em tão refece posição, deverá ser repetidamente punido até que deixe de o ser. Apesar do caloiro não dispor de qualidades meritórias de um capítulo para si, as regras que regem o seu comportamento o merecem, sendo por isso o Capítulo VIII dedicado a tais regulamentos". (Fotografias de caloiros "voluntários" a arrastarem-se uns aos outros na lama, Rapazes travestidos com pinturas de mulheres, Corvo preto a marchar orgulhoso, junto dos caloiros cheios de lama, Saltos voluntários para a lama)

"Sendo o caloiro um ser inferior sem qualquer qualidades, e muitos defeitos, e sendo esta a mais baixa posição que pode um ser assumir, os direitos do caloiro resumem-se rápida, concisa e verdadeiramente a... nenhuns!" Veteranos vestidos de preto a gritarem palavras de ordem e outras boçalidades, enquanto os caloiros marcham. Veteranos vestidos de preto a espalhar a mistela no cabelo dos "voluntários". Puzzle humano constituído de caloiros "voluntários" para formar o nome do curso.

Ah! E no fim, claro as assinaturas:
Autores: C. Gomes, F. Ribeiro, P. Brito

Retrato de Miguel Duarte

É trágico o mundo em que vivemos. É trágico que em nome da religião as pessoas façam coisas destas.

O vídeo chocante que está abaixo representa cenas de apedrejamento até à morte de uma rapariga de 17 anos, no Iraque, cuja família é Yezidi (uma religião pré-islâmica). O "pecado" desta rapariga foi ter-se apaixonado por um rapaz muçulmano e ter-se supostamente convertido à religião muçulmana.