Retrato de Luís Lavoura

No passado sábado, cerca das 7:30 da manhã, eu estava em Cascais, quando comecei a ouvir na rua, pela janela aberta, um estranho crepitar. Fui à varanda e, com espanto, vi um incêndio, ainda numa fase muito inicial, num lote abandonado de terreno, coberto de erva alta e seca, que há junto ao prédio.

Naquela manhã bem fresca, mas soalheira, não havia qualquer causa natural para a ignição.

Na rua não se via vivalma, embora não seja raro haver, por ali, pessoas a passear cães àquela hora.

A ignição foi de causa humana, sem dúvidas. Mas o que poderá ter sido? Fogo posto? Um cigarro mal apagado atirado da janela de um dos prédios em volta? Um cigarro mal apagado atirado por alguém que estava a passear o cão?

Está muito silencioso por aqui! Porque não deixar uma resposta?

  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente

Mais informação sobre as opções de formatação