Retrato de João Mendes

No meu último post falei de mérito e de igualdade de oportunidades no contexto da diferença entre igualdade de oportunidades e igualdade de resultados.

Como não pude responder em tempo útil a estas perguntas na caixa de comentários, decidi responder aqui. Vou transcrever o comentário e depois responder.

timshel escreveu:
e o que é o mérito?

depende de quê?

porque é que sobre outras variáveis (as "oportunidades") deve existir igualdade mas não sobre aquelas (mais obscuras) das quais depende o mérito?

O que é o mérito?

Uma definição possível de "mérito" poderia ser a disponibilidade e a capacidade individuais de realizar esforços no sentido de atingir objectivos propostos pelo próprio ou propostos por outro. Depende do próprio, como a definição indica, mas é influenciado por factores que o próprio não controla.

Porquê a igualdade de oportunidades?

A questão da igualdade de oportunidades está relacionada precisamente com esses factores que o próprio indivíduo não controla e afectam o seu mérito individual. O Estado deve criar as condições necessárias para que estes factores não sejam entraves intransponíveis para que os indivíduos realizem os objectivos a que se propõem (desde que legítimos, evidentemente). É assim que cria igualdade de oportunidades. Políticas que promovam a educação da população, por exemplo, são exemplos de políticas deste tipo, dado que permitem ultrapassar, por exemplo, uma situação de pobreza, dando aos indivíduos ferramentas importantes para que construam uma boa vida para si e para os seus. Outro exemplo é a existência de um sistema jurídico bem construído e aplicado na prática por um sistema de justiça que funcione, protegendo assim os indivíduos de danos causados por terceiros.

Relativamente aos factores que o indivíduo controla opera a responsabilidade pessoal do indivíduo. Esse é o espaço do mérito individual. Compete ao indivíduo, com base nas suas preferências, escolher o rumo da sua vida, e esforçar-se para conseguir atingir os objectivos que defina ou que aceite como seus. Tratar de forma igual indivíduos que se esforcem e indivíduos que não se esforcem cria um incentivo perverso e é injusto para os que se esforçaram.

Uma sociedade liberal, em suma, premeia o empreendedorismo e o esforço individual, criando uma base que permite aos indivíduos transcenderem limitações que lhes estavam previamente colocadas e que lhes eram alheias.

E esta é a minha tentativa de responder, de forma muito breve, às perguntas colocadas.

Retrato de João Mendes

Resposta muito sumária:

João Mendes on Domingo, 23/08/2009 - 20:17

Resposta muito sumária: Criando regras que responsabilizem as pessoas pelas suas escolhas (são as escolhas das pessoas, afinal, que vão ser avaliadas, como já referido na definição de mérito individual que eu apresentei no artigo), ao mesmo tempo salvaguardando igualdade de oportunidades (conforme definida neste artigo).

E agora...

Cardiga (não verificado) on Domingo, 23/08/2009 - 20:01

Bem estou mais que satisfeito com a tua resposta. E agora dado as tuas respostas uma próxima pergunta:

- como crias uma sociedade baseada no mérito?

Retrato de João Mendes

Bom, para responder em

João Mendes on Domingo, 23/08/2009 - 19:31

Bom, para responder em abstracto à tua pergunta, simplesmente repetirei que a questão do mérito se prende com factores qualitativos e quantitativos, e que depende de situação para situação, dado que só assim se sabe que tipo de critérios quantitativos e qualitativos é que são relevantes. Acontece que estes critérios valorativos vão variar também de pessoa para pessoa. Não existe um standard absoluto. É da interacção entre as várias valorações que se "joga" o "jogo" do mérito numa dada sociedade.

Por isso te perguntei a razão da pergunta: a forma como eu, pessoalmente, avalio outra pessoa numa certa situação não é a forma absoluta de o fazer.

Se ainda quiseres que faça uma análise concreta, depois desta resposta, posso tentar, para uma situação qualquer, mas julgo que não seria muito útil.

Concordo com a tua nota

Cardiga (não verificado) on Domingo, 23/08/2009 - 19:05

Concordo com a tua nota prévia.

A situação deixo-te a liberdade de escolheres a que quiseres. O motivo da minha pergunta é porque em tempo elaborei um breve esboço sobre o tipo de distribuição de riqueza que a sociedade aceita e uma delas era o mérito embora nesse artigo fiz apenas um esboço muito pouco especifico, pois quero escrever sobre o mérito. Desde essa altura tenho pensado muito sobre o assunto e reparei que muita gente fala de meritocracia embora ninguém consiga definir o mérito (tu foste a primeira pessoa que tentou criar um significado mais concreto). Assim quero saber se a meritocracia é apenas uma utopia ou não.

Retrato de João Mendes

(Nota prévia: eu não

João Mendes on Domingo, 23/08/2009 - 17:26

(Nota prévia: eu não avaliaria o mérito de uma pessoa com base apenas em critérios quantitativos, mas também qualitativos.)

Em que situação? E, já agora, porquê a pergunta?

Em relação a uma terceira

Cardiga (não verificado) on Domingo, 23/08/2009 - 16:54

Em relação a uma terceira pessoa.

Retrato de João Mendes

Pessoalmente, em relação

João Mendes on Domingo, 23/08/2009 - 16:33

Pessoalmente, em relação às minhas opções de vida, ou em absoluto?

Duvida

Cardiga (não verificado) on Domingo, 23/08/2009 - 12:26

Uma duvida:

- Como quantificas o mérito?

  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente

Mais informação sobre as opções de formatação