Retrato de Luís Lavoura

Diz o presidente da Câmara de Grândola que a "doença do nemátodo do pinheiro" (em inglês tem um nome próprio: pine wilt) começa já a atingir, não apenas os pinheirais de pinheiro bravo, mas também os de pinheiro manso do distrito de Setúbal.

Comprovadamente, em todo o caso, a doença já alastrou do distrito de Setúbal para a maior mancha de pinheiro bravo do país, nos distritos de Castelo Branco e Coimbra.

Convem pensar que só há uma forma de evitar que a doença se expanda ainda mais, e faça grandes estragos: promovendo a substituição das grandes monoculturas de pinheiro por explorações silvícolas mais diversas, em particular plantando folhosas.

Só isso poderá constituir uma solução de longo prazo.

Tem que se começar a trabalhar desde já, plantando, sob o coberto dos pinheiros, outras espécies, sobretudo quercíneas (carvalhos e sobreiros). Essas árvores podem começar a lançar raiz mesmo sob a sombra dos pinheiros atualmente existentes. Para que, quando os pinheiros secarem devido à doença, tenham já outras e melhores árvores que os substituam.

Está muito silencioso por aqui! Porque não deixar uma resposta?

  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente

Mais informação sobre as opções de formatação