Assisto com alguma estupefacção à alegria de alguns bloggers de direita com a apresentação da candidatura de Manuel Alegre. Confesso que, sendo de centro-direita, me deu algum gozo assistir às desavenças no PS na questão das presidenciais. Não gostando da atitude do Dr. Mário Soares, agora e no seu tempo de presidente da república, dar-me-ia um gozo sádico vê-lo afastado da 2ª volta das presidenciais. Mas nesta questão temos de ser lúcidos: Mário Soares está muito mais próximo do posicionamento político da direita do que Manuel Alegre. Manuel Alegre é um candidato mais próximo do PCP do que do centro, alguém que poderia ser muito interventivo defendendo políticas de esquerda ao contrário de Mário Soares que já não terá energia ou vontade para intervir demasiado e, mesmo essa intervenção, não seria tão radicalmente à esquerda como a de Manuel Alegre.
Mesmo em termos estratégicos a candidatura de Manuel Alegre é muito prejudicial à direita. Cavaco está neste momento no seu auge nas sondagens. Não sendo um bom político de campanhas eleitorais, Cavaco irá perder votos assim que começar a falar (ou a comer bolo-rei) e não tem espaço nenhum para crescer à direita (onde já cobrirá a esmagadora maioria do eleitorado). A única hipótese de crescer seria à esquerda com os insatisfeitos com a candidatura de Mário Soares. Com a candidatura de Manuel Alegre esse nicho está tomado. A candidatura de Manuel Alegre irá ainda roubar votos à abstenção que, como se sabe, tende a beneficiar candidatos que querem ganhar à primeira volta como é o caso de Cavaco.
Na eventualidade de haver uma segunda volta, a candidatura de Manuel Alegre constitui um perigo muito maior que a de Mário Soares. Se houver uma segunda volta, isso quererá dizer que a esquerda teve a maioria dos votos na primeira volta. E aí surgem dois cenários. O mais plausível, de momento, será o de uma segunda volta Cavaco-Soares em que Cavaco mesmo não ganhando muitos votos à esquerda de Soares irá beneficiar da passagem de votos da esquerda para a abstenção (não me parece que estejamos ainda em tempo de engolir sapos) e muito, muito, provavelmente ganhar. Já no cenário cada vez mais plausível, e acredito que com a campanha se torne mais e mais, de Manuel Alegre passar à 2ª volta o cerco já se aperta para Cavaco. Manuel Alegre une mais a esquerda (mesmo a que vota em Soares) do que o próprio Soares. Cavaco, sem terreno para crescer, nem podendo beneficiar da abstenção iria muito provavelmente perder. E, de repente, aquilo que parecia um passeio para a direita tornar-se-ia num pesadelo de 5, ou 10, anos.

Isto é só conversa da treta,

Anónimo (não verificado) on Sexta, 25/06/2010 - 02:07

Isto é só conversa da treta, como é que um traidor e desertor quer agora vir a ser chefe supremo das forças armadas ?!!
Este país está de rastos a todos os niveis.

Força Alegre, força!

Miguel (não verificado) on Domingo, 02/10/2005 - 02:29

Força Alegre, força!

Há aqui um certo alarmisno,

Hugo F Garcia (não verificado) on Terça, 27/09/2005 - 10:01

Há aqui um certo alarmisno, não há?

Não é a candidatura de Manuel Alegre que vai fazer grandes alterações ao resultado final. A não ser que ganhe.

O facto de apostar num ou em vários não faz diferença neste tipo de eleições. A própria direita teria tudo a ganhar em apresentar um candidato alternativo, mais jovem e dinâmico.

Mas temos que nos lembrar que não estamos a votar para um governo. Estamos a votar para um presidente que certamente não vai derrubar o governo. Se Cavaco Silva for eleito não o fará porque não faz parte da sua forma de pensar. IDerrubar governos é o tipo de coisas que as pessoas de esquerda gostam.
Se for um presidente de esquerda também não vai querer derrubar o governo porque assim iria dar força à direita.

Sinceramente, a única coisa que estou a achar interessante é ver todas as pessoas da esquerda que defendiam um regime ainda mais presidencialista, que a meu ver é um passo atrás na democracia, arrependerem-se agora e virem dizer:
"Não votem Cavaco porque ele vai ser um contra-peso ao governo. Ele vai derrubar o governo"

Enfim, são aqueles comic-reliefs da politica.

Cavaco não iria buscar

Karloos. (não verificado) on Segunda, 26/09/2005 - 16:18

Cavaco não iria buscar votos à extrema esquerda. Iria buscar votos à esquerda descontente com a candidatura de Soares que agora preferirá votar Alegre. Mas o principal ganho de uma não candidatura de Alegre seria a abstenção da esquerda que não querendo votar Soares também não se revêm em nenhum outro candidato. E aí Cavaco teria muito a ganhar. Nestas eleições, na primeira volta, como Cavaco tem eleitorado fiel e pouco espaço de manobra, cada voto em branco ou abstenção é meio voto nele.
Acredito que haja mais pessoas de esquerda que de direita em Portugal mas quem decide eleições, desde sempre, é o centro. É o centro que dá as maiorias absolutas e elege presidentes. A razão de termos tido sempre presidentes de esquerda prende-se mais com o contexto histórico de cada eleição. Eanes foi eleito em plena época revolucionária em que naturalmente teria que ser eleito alguém de esquerda. Sampaio ganhou numa altura em que Cavaco estava desgastado por 10 anos de governação e qualquer espantalho de esquerda, mesmo o Sampaio, o teria batido. Já o caso do Mário Soares foi diferente. A esquerda dividiu-se nessa altura, como hoje, mas ao dividir-se conseguiu chegar a todo o eleitorado e unir-se no momento certo. Como disse no post, o mesmo pode vir a acontecer agora. É preciso aprender com as lições da história.
Se Manuel Alegre ganhar, ganha o PCP, ganha o Bloco de Esquerda, perde o bloco central e, a longo prazo, todos nós.

Achas mesmo que o Cavaco

vitor jesus (não verificado) on Segunda, 26/09/2005 - 14:55

Achas mesmo que o Cavaco iria alguma vez buscar votos 'a extrema-esquerda?

Alias, ha' aqui um comentario interessante que se pode fazer. Desde que me lembro, so' ha' presidentes de esquerda. E percebe-se (na minha opiniao) por duas razoes:
1. ha' muitas mais pessoas de eszquerda do que de direita (Portugal ainda e' um pais muito socialista)
2. as esquerdas costumavam unir-se e as direitas competir.

Nestas eleicoes, a esquerda desintegra-se, e a direita esta' unida.

E' a democracia a funcionar de forma positiva. O BE, com muita dignidade (a ver vamos) nao desiste a favor do Mario Soares; o PCP nao pode desistir pq lhe fica mal e pq ia deixar o BE crescer muito.

O grande perdedor ainda vai ser o PCP. E acho bem pq andar a brincar aos candidatos presidenciais nao e' bonito.

Cavaco não iria buscar

-Karloos (não verificado) on Segunda, 26/09/2005 - 16:15

Cavaco não iria buscar votos à extrema esquerda. Iria buscar votos à esquerda descontente com a candidatura de Soares que agora preferirá votar Alegre. Mas o principal ganho de uma não candidatura de Alegre seria a abstenção da esquerda que não querendo votar Soares também não se revêm em nenhum outro candidato. E aí Cavaco teria muito a ganhar. Nestas eleições, na primeira volta, como Cavaco tem eleitorado fiel e pouco espaço de manobra, cada voto em branco ou abstenção é meio voto nele.
Acredito que haja mais pessoas de esquerda que de direita em Portugal mas quem decide eleições, desde sempre, é o centro. É o centro que dá as maiorias absolutas e elege presidentes. A razão de termos tido sempre presidentes de esquerda prende-se mais com o contexto histórico de cada eleição. Eanes foi eleito em plena época revolucionária em que naturalmente teria que ser eleito alguém de esquerda. Sampaio ganhou numa altura em que Cavaco estava desgastado por 10 anos de governação e qualquer espantalho de esquerda, mesmo o Sampaio, o teria batido. Já o caso do Mário Soares foi diferente. A esquerda dividiu-se nessa altura, como hoje, mas ao dividir-se conseguiu chegar a todo o eleitorado e unir-se no momento certo. Como disse no post, o mesmo pode vir a acontecer agora. É preciso aprender com as lições da história.
Se Manuel Alegre ganhar, ganha o PCP, ganha o Bloco de Esquerda, perde o bloco central e, a longo prazo, todos nós.

  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente

Mais informação sobre as opções de formatação