Retrato de Luís Lavoura

A libertação do soldado israelita Gilad Shalit e de mil palestinianos que estavam presos nas cadeias israelitas é uma excelente notícia.

É-o, antes de mais, para os próprios, que vão voltar a estar com as suas famílias e com o seu povo, agora com o conhecimento mais profundo e íntimo do povo "adversário" que adquiriram durante o cativeiro. Este aspeto humano não é de descurar.

Mas é-o também, em termos políticos, porque mostra que Israel e o Hamas são capazes de dialogar e discutir entre si, em vez de passarem o tempo a diabolizarem-se mutuamente e a negarem a existência e a importância do outro, como até agora faziam. É maravilhoso que essas duas entidades reconheçam a realidade prática, não a neguem, não a diabolizem, e em vez disso se sentem a uma mesma mesa e discutam problemas práticos com vista a melhorar as condições de pessoas concretas - neste caso, antes do mais, os mil palestinianos e o soldado israelita.

É bom lembrar que a faixa de Gaza tem nos últimos tempos tido um crescimento económico verdadeiramente explosivo - da ordem dos 30% de aumento do PIB no último ano. Esta melhoria é excelente, e fundamenta e requer um diálogo entre a autoridade de Gaza, o Hamas, e o governo israelita. Nem Israel nem o "Ocidente" podem nem devem continuar a fingir que Gaza não é uma entidade separada da Cisjordânia e que não tem um governo diferente. É necessário dialogar com Gaza!

Está muito silencioso por aqui! Porque não deixar uma resposta?

  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente

Mais informação sobre as opções de formatação