Retrato de Luís Lavoura

Foi salvo erro em 2004 que houve um primeiro grande incêndio na área de sobreiral da serra do Caldeirão, dessa vez na vertente norte. Agora ardeu a vertente sul.

Mas, da experiência de 2004, já se sabia que aquele sobreiral podia dar enormes fogos. Já se devia estar de sobreaviso que isto poderia acontecer, mais ano, menos ano.

Entretanto, boa parte dos sobreiros ardidos em 2004 sobreviveram e voltaram a rebentar. O fogo nem sempre mata os sobreiros.

Em todo o caso, esses dois grandes fogos na serra do Caldeirão mostram que o sobreiral, sem gado que coma o mato que cresce por baixo, ou sem máquinas que o limpem regularmente, está, a prazo, condenado. Deixar os sobreiros ao abandono, esperando que, sem cuidados, de nove em nove anos produzam cortiça, não dá. É preciso limpar o mato que cresce por baixo. Ou com tratores, ou com ovelhas e cabras. E o gasóleo para os tratores está muito caro.

Sendo que qualquer das opções é economicamente insustentável, o Estado tem que escolher se prefere continuar a gastar dinheiro no combate aos fogos, como tem feito até agora, ou prefere gastá-lo a subsidiar a limpeza da floresta. De uma forma ou de outra, o Estado terá que gastar dinheiro. Eu preferiria que o gastasse com cabreiros. Até porque já estou a ficar farto da corporação dos bombeiros e do seu cabecilha Jaime Soares (ex-autarca PSD da câmara de Penela), que cada vez me faz mais lembrar o Madaíl do futebol.

Parece-me que tem uma certa

Alexandre (não verificado) on Quarta, 25/07/2012 - 06:53

Parece-me que tem uma certa razão mas em troco de subsídios deveria haver um imposto extra na altura de vender a cortiça (ou o queijo).

Inteiramente de acordo

Anónimo (não verificado) on Terça, 24/07/2012 - 17:40

Inteiramente de acordo consigo. Estou em crer que a "indústria" de apagar fogos tem mais poder do que nós e, por isso, uma solução que passe pela prevenção dos fogos, envolvendo as Câmaras Municipais e as Juntas de Freguesia, ainda vai demorar muito tempo.
Até lá, iremos assistir a atitudes estúpidas das nossas autoridades, como foi o caso de uma tecnica camarária que autuou um proprietário, que fez limpeza da mata, só por que este queimou, juntamente com matos e fetos, um sobreiro raquítico...

Retrato de Luís Lavoura

Pois

Luís Lavoura on Quarta, 25/07/2012 - 08:56

Estou em crer que a "indústria" de apagar fogos tem mais poder do que nós

É isso mesmo que eu penso, que há demasiada gente que tem interesse em que Portugal continue a arder, em que não se faça prevenção, porque o seu ganha-pão está em combater os fogos. Essa gente tem demasiado poder em Portugal.

O post do Dr. Paulo Morais no

Anónimo (não verificado) on Quarta, 25/07/2012 - 14:07

O post do Dr. Paulo Morais no "Blasfémias" - "a pagar fogos" -, apresenta uma proposta interessante. Receio é que ninguém a leia...

  • As linhas e os parágrafos quebram automaticamente

Mais informação sobre as opções de formatação